Magia com o Banco do Tempo

Descobri hoje o que para mim é uma maravilha de inovação social: O Banco do Tempo.

Baseado na ideia de que todos temos algo para dar foi criado, nos anos oitenta, o conceito de Banco do Tempo. Um Banco em tudo semelhante a todos os outros, com a particularidade de que neste a moeda de troca é tempo!

Ou seja, uma pessoa (ou instituição/associação/ grupo local etc.) abre uma conta de tempo neste banco, e disponibiliza-se a prestar algum tipo de serviço ou ajuda, ou o que seja. Em troca recebe créditos de horas, que pode utilizar depois, ao dispor de qualquer serviço de qualquer pessoas que também tenha uma conta neste Banco.
A fenomenalidade deste conceito é, na minha opinião, que a troca não é directa. quero com isto dizer que não é necessariamente a pessoa a quem eu presto serviço que me irá posteriormente prestar a mim, a troca é multidireccionada. Toda a gente dá, e toda a gente recebe.

Um conceito deste género é, para mim, um motor social de mudança, ou um motor de mudança social. Pensemos por exemplo no caso das instituições, que para desenvolver este ou aquele projecto se deparam com obstáculos como espaço, mas têm sobejamente algo como transporte. Concerteza há instituições que se deparam com a situação inversa. Com este Banco pode existir uma troca de serviços, que permite realmente estes projectos avançarem!

Desculpem-me o tom coloquial, mas hoje vi Magia a acontecer! Assisti à criação de um novo projecto porque O Banco do Tempo permitiu a troca entre duas entidades diferentes!

Assim se faz a rede, assim se faz a parceria, assim se faz a mudança…

Sempre Tecendo

Anúncios

2 Responses to “Magia com o Banco do Tempo”


  1. 1 GIJoe 3 de Março de 2010 às 7:58 PM

    Estou completamente fascinada com o que publicaste. Incrivel como se fala de tanta coisa desinteressante e tão singular iniciativa passa despercebida.
    Concordo plenamente quando a caracterizas como “um motor social de mudança” e choca-me como não se publicita tal coisa. Podia colmatar algumas das fraquezas de recursos, tão comuns na nossa sociedade e na crise que passamos.
    Onde se pode ter mais informação sobre isso?


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Tecendo Manhãs

Um galo sozinho não tece a manhã: ele precisará sempre de outros galos. De um que apanhe esse grito que ele e o lance a outro: de um outro galo que apanhe o grito que um galo antes e o lance a outro; e de outros galos que com muitos outros galos se cruzam os fios de sol de seus gritos de galo para que a manhã, desde uma tela tênue, se vá tecendo, entre todos os galos. E se encorpando em tela, entre todos, se erguendo tenda, onde entrem todos, no toldo (a manhã) que plana livre de armação. A manhã, toldo de um tecido tão aéreo que, tecido, se eleva por si: luz balão". João Cabral de Melo Neto

Clique para receber os novos posts do Tear no seu e-mail.

Junte-se a 1 outro seguidor

Manhãs antigas


%d bloggers like this: